O chatbot Bard do Google finalmente é lançado na UE, agora suporta mais de 40 idiomas

O Google está disponibilizando seu rival do ChatGPT, Bard, para um público mais amplo hoje, lançando o chatbot de IA generativo em mais de 40 idiomas e, finalmente, trazendo-o para a União Europeia (UE) após um atraso inicial devido a questões de privacidade de dados.

A gigante da Internet também introduziu uma série de novos recursos no Bard, embora alguns estejam disponíveis apenas em inglês no início.

O Google provocou Bard pela primeira vez em fevereiro, no que parecia ser uma resposta apressada ao sucesso crescente do ChatGPT, um mecanismo de pesquisa / chatbot superinteligente que se baseia em modelos de linguagem grandes (LLMs) para gerar novos conteúdos a partir de prompts simples. O ChatGPT é obra da OpenAI e uma empresa de IA com forte apoio da rival do Google, a Microsoft.

Enquanto Bard inicialmente abriu para acesso antecipado em inglês começando nos EUA e Reino Unido em março, a lista de espera inicial terminou em maio com um lançamento global abrangendo cerca de 180 países e com suporte adicional para japonês e coreano. Uma omissão notável até agora, no entanto, foi a UE, com o Google atrasando o lançamento da UE depois que um regulador de privacidade expressou preocupações. A Comissão Irlandesa de Proteção de Dados (DPC), que rege a proteção de dados na região da UE quando as empresas usam a Irlanda como sede europeia, disse que, embora o Google tenha informado a DPC de suas intenções de lançar o Bard na UE, não forneceu o regulador com informações suficientes para abordar suas preocupações de privacidade de dados.

Com o lançamento de hoje, parece que o Google deu agora ao DPC o que ele procurava.

“Nós nos envolvemos proativamente com especialistas, formuladores de políticas e reguladores de privacidade nesta expansão”, escreveu o líder de produto da Bard, Jack Krawczyk, e vice-presidente de engenharia Amarnag Subramanya, em um post de blog.

De fato, o Google divulgou sua atualização mais recente como sua “maior expansão até o momento”, sendo lançada na maior parte do mundo com suporte para Árabe, espanhol, chinês, alemão e hindi. E além da UE, o Bard também já está disponível no Brasil.

Afinação

Coincidindo com a expansão, estão novos recursos focados em ajustar as respostas do Bard e aumentar o potencial de produtividade do chatbot. Alguns foram telegrafados e visualizados no início de maio, mas hoje marca seu amplo lançamento.

Agora, os usuários podem alterar o tom e o estilo das respostas de Bard com cinco opções diferentes: “simples”, “longo”, “curto”, “profissional” ou “casual”. Disponível em inglês para começar, a alternância leva as respostas padrão de Bard a um prompt e as ajusta para se alinhar com qualquer tom e estilo que o usuário selecionar.

Em outros lugares, a Bard agora pode vocalizar suas respostas graças a um novo recurso de IA de conversão de texto em fala. Suportando mais de 40 idiomas, as respostas audíveis do chatbot podem ser acessadas clicando no novo ícone de som ao lado de um prompt.

Do lado da produtividade, a Bard agora pode exportar código para mais lugares — especificamente código Python para Replit. o ambiente de desenvolvimento integrado baseado em navegador. As imagens podem ser usadas em prompts – os usuários podem fazer upload de imagens com prompts (somente em inglês por enquanto) e Bard analisará a foto. Novas opções permitem aos usuários fixar, renomear e pegar conversas recentes com Bard. E as respostas de Bard agora podem ser mais facilmente compartilhadas com o mundo exterior por meio de links.

“Curiosidade e imaginação são as forças motrizes por trás da criatividade humana”, escreveram Krawczyk e Subramanya. “É por isso que criamos a Bard: para ajudá-lo a explorar essa curiosidade, aumentar sua imaginação e, finalmente, tirar suas ideias do papel – não apenas respondendo às suas perguntas, mas ajudando você a desenvolvê-las.”

O Google lutou muito com Bard no início do ciclo de vida do chatbot, falhando em igualar a qualidade das respostas de bots rivais como o ChatGPT. Ele deu respostas factualmente incorretas completas com citações inventadas, levando até mesmo os funcionários do Google a rótulo o chatbot “pior que inútil” e um “mentiroso patológico”. (As ações da empresa despencaram brevemente 8% no lançamento de Bard.)

Mas o Google afirma que Bard está melhorando de maneira mensurável, principalmente em áreas como matemática e programação. Também ganhou extensões, inclusive dos próprios aplicativos e serviços do Google, bem como de parceiros terceirizados como a Adobe, e a capacidade de explicar o código; estruturar dados em uma tabela; e imagens de superfície em suas respostas.

Em outro olhar ruim para o Google, porém, comunicando esta semana, a Bloomberg revelou que os humanos que treinam Bard costumam trabalhar demais e são mal pagos. Alguns contratados ganham apenas US$ 14 por hora, recebem treinamento mínimo e devem concluir auditorias complexas da Bard em minutos.

A história de Bloomberg segue um Insider pedaço em abril, que descobriu que os contratados do teste Bard não tiveram tempo suficiente para corroborar e verificar a resposta mais precisa do chatbot. Ao que parece, isso não mudou.


Link do Autor
Total
0
Shares
0 Share
0 Tweet
0 Share
0 Share
0 Pin it
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts