Aspartame: adoçante da Coca Zero pode ser cancerígeno, diz OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) deve anunciar a mudança na classificação de risco para a saúde de um dos adoçantes artificiais mais populares, o aspartame. Usado em sorvetes, chicletes e refrigerantes diet ou zero, como a Coca Zero, este composto deve entrar na lista “possivelmente cancerígenos para humanos”.

  • OMS deixa de recomendar adoçantes para dietas de controle de peso
  • Adoçante sucralose pode danificar o DNA humano, sugere estudo

A mudança na classificação do adoçante aspartame em relação ao risco de câncer foi adiantada pela agência de notícias Reuters, mas, até o momento, não foi oficialmente confirmada. A questão deveria permanecer em segredo até a publicação da decisão, embasada por análises de inúmeros estudos científicos sobre o produto, da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) — o braço de pesquisa para o câncer da OMS.

“Possivelmente cancerígeno” é diferente de “cancerígeno”?

Dentro do entendimento da IARC, classificar algo como “possivelmente cancerígeno” indica que foram encontradas evidências ligando o aspartame a um risco aumentado, independente de qual, para a doença oncológica e a formação de tumores. No entanto, existem outras categorias mais graves, como “provavelmente cancerígeno para humanos” ou ainda “cancerígeno para humanos”.


Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTubetodo dia tem vídeo novo para você!

Adoçante aspartame deve ser classificado como “possivelmente cancerígeno” pela OMS (Imagem: Fidel Forato/Canaltech)

Além do IARC, o Comitê Misto FAO/OMS de Especialistas em Aditivos Alimentares (JECFA) também está revisando os dados sobre o adoçante. Ambos os relatórios finais devem ser divulgados juntos na segunda semana de julho.

Impacto da classificação do adoçante aspartame pela OMS

Aqui, é necessário pontuar que, desde 1981, o JECFA considera o consumo do adoçante seguro para a saúde humana, dentro dos limites diários estabelecidos. Para ultrapassar este limite, um adulto de 60 kg precisaria beber entre 12 e 36 latas de refrigerante zero — a quantidade exata varia devido às possíveis concentrações do aspartame adotadas por cada marca — todos os dias.

No entanto, a revisão dos riscos à saúde envolvendo o adoçante aspartame pode ter um grande impacto em toda a indústria de alimentos, incluindo a reformulação de produtos clássicos, como os refrigerantes. Por outro lado, um longo debate judicial deve ser iniciado como parte da resposta das companhias.

Inclusive, as primeiras críticas a essa revisão já são compartilhadas. “A IARC não é um órgão de segurança alimentar. A sua revisão sobre aspartame não é cientificamente abrangente e é fortemente baseada em pesquisas amplamente desacreditadas”, aponta Frances Hunt-Wood, secretário-geral da Associação Internacional de Adoçantes (ISA).

Ainda vale lembrar que, no mês passado, a OMS atualizou as suas diretrizes para o uso de adoçantes por pessoas saudáveis, sem diabetes. O novo entendimento é que este tipo de produto não é recomendado para dietas que buscam o controle de peso, através da redução do açúcar convencional. A decisão engloba o aspartame, mas também a sacarina, a sucralose e a estévia.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

  • 10 personagens que a DC copiou da Marvel na cara-dura
  • Google lança curso profissionalizante de marketing digital e e-commerce
  • Atualização do Windows 11 traz mais de 15 novidades e é liberada para todos
  • Planeta de gelo estaria escondido nos confins do Sistema Solar
  • Android tem novo logo confirmado pelo Google
  • Samsung lança TVs OLED e Neo QLED 2023 com 4K e 8K no Brasil

Link do Autor
Total
0
Shares
0 Share
0 Tweet
0 Share
0 Share
0 Pin it
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts