Congresso se prepara para continuar jogando dinheiro no Sistema de Lançamento Espacial da NASA

O Congresso investirá mais bilhões de dólares no foguete do Sistema de Lançamento Espacial (SLS) e sua arquitetura associada, mesmo que as missões científicas da NASA permaneçam vulneráveis ​​a cortes.

Os Comitês de Apropriações da Câmara e do Senado recomendam destinar cerca de US$ 25 bilhões para a NASA para o próximo ano fiscal (FY 24), o que está de acordo com o valor do financiamento que a agência recebeu este ano (FY 23). No entanto, ambos os ramos do Congresso recomendam aumentar a parcela desse financiamento que iria para o programa Artemis e seus pilares de transporte, SLS e a cápsula da tripulação Orion.

Esses programas receberiam US$ 7,9 bilhões pelo projeto da Câmara ou US$ 7,74 bilhões pelo projeto do Senado, um aumento de cerca de US$ 440 milhões em relação aos níveis do ano fiscal de 2023.

Enquanto isso, as missões científicas estão analisando cortes em torno do mesmo valor, com a Câmara recomendando um orçamento de US$ 7,38 bilhões contra US$ 7,79 bilhões no ano fiscal de 2023.

O aumento no financiamento é apenas o último sinal de que o Congresso não está recuando da arquitetura da missão do programa Artemis, que visa levar os humanos de volta à lua até 2025. Esse plano depende de um foguete de carga pesada capaz de fornecer o suficiente impulso para entregar uma cápsula totalmente abastecida e tripulada à órbita lunar. Para esta tarefa, o Congresso criou o SLS e o Orion, programas baseados no legado da NASA e (aparentemente) economizando custos por esse motivo.

Mas essa decisão foi recebida com muitas críticas, principalmente pelo incrível preço de ambos os programas – preços que continuarão subindo à medida que o programa continua a se desenvolver. Por exemplo, os custos gerais do SLS ultrapassaram US$ 24 bilhões desde que o projeto foi concebido pela primeira vez em 2010. Mas como o foguete não é reutilizável, apesar de ter feito um primeiro voo bem-sucedido em novembro passado, o Congresso terá que gastar muito mais bilhões para cada voo subsequente. missão.

Isso sem falar nos custos do Orion ou da torre de lançamento móvel da qual o SLS decola.

Em maio, o Gabinete do Inspetor Geral da NASA emitiu uma auditoria devastadora do programa, que constatou que os atrasos nos contratos de reforço e motor do SLS resultaram em um custo excedente de aproximadamente US$ 6 bilhões. O relatório critica ainda mais o uso de contratos de custo acrescido, uma estrutura de taxas pela qual essencialmente todo o risco é assumido pelo governo.

No geral, a NASA recebeu US$ 25,4 bilhões em financiamento para o FY ’23, com US$ 2,6 bilhões destinados ao SLS, US$ 1,34 bilhão à Orion e US$ 1,48 aos programas de contrato do Human Landing System. Os programas científicos – que incluem a missão Mars Sample Return e as missões de ciências da Terra – receberam US$ 7,8 bilhões no total.


Link do Autor
Total
0
Shares
0 Share
0 Tweet
0 Share
0 Share
0 Pin it
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts