DOJ afirma que o “controle total” da Apple sobre as transações tap-to-pay impede a inovação e consolida seu monopólio

Em sua ampla queixa antitruste contra a Apple e seu negócio do iPhone, o Departamento de Justiça dos EUA tem como alvo específico o enorme negócio financeiro da Apple, especificamente como ela usa o Apple Pay para proibir a concorrência e ganhar grandes quantias de dinheiro no processo, no sentido de bilhões em receitas anuais.

O DOJ alega que isso não está apenas sufocando a concorrência entre os serviços de pagamento, mas também potencialmente sufocando a inovação, uma vez que as taxas que os bancos e outros pagam para jogar com o Apple Pay fazem com que eles estejam menos inclinados a desenvolver outros tipos de serviços que possam rivalizar com a Apple. de qualquer forma.

O Apple Pay conhece bem a controvérsia regulatória. Em 2020, a Comissão Europeia abriu uma investigação antitruste sobre o assunto. E em janeiro de 2024, talvez com uma consideração sóbria das outras batalhas regulatórias que enfrentaria este ano, a Apple finalmente ofereceu algumas concessões, onde permitiria que terceiros acessassem seu NFC e tecnologia relacionada para construir seu próprio tap-to- pagar serviços de pagamento para ignorar o Apple Wallet e o Apple Pay. (A oferta da Apple ainda está sendo avaliada.)

Curiosamente, embora a Europa tenha sido um foco de ação antitruste da Apple – no início deste mês, ela foi multada em quase US$ 2 bilhões por violar as regras antitruste no streaming de música – o caso Apple Pay foi a única menção à atividade europeia no reclamação do DOJ de quase 90 páginas.

O PayPal – o gigante dos pagamentos que possui negócios substanciais em transações móveis e tecnologia de ponto de venda – foi aparentemente instrumental na reclamação original da UE sobre o monopólio de pagamento da Apple. Contactado hoje sobre a reclamação do DOJ nos EUA, um porta-voz do PayPal disse que a empresa se recusou a comentar. (Certamente está acompanhando de perto os procedimentos.)

O argumento do DOJ

A Apple hoje cobra uma taxa de 0,15% sobre qualquer transação feita via Apple Pay. Em 2021, isso equivaleu a US$ 1 bilhão; em 2022, esse valor cresceu para US$ 1,9 bilhão e, em 2023, é estimado que o valor mais que dobrou para US$ 4 bilhões.

Trata-se, relativamente falando, de pequenas quantias para a empresa, tendo em conta que fez mais de US$ 383 bilhões em 2023 nas receitas gerais.

Mas a aposta de longo prazo da Apple é que os pagamentos são fundamentais para a forma como as pessoas existem no mundo de hoje – “A Apple reconhece que pagar por produtos e serviços com uma carteira digital acabará por se tornar ‘algo que as pessoas fazem todos os dias de suas vidas’”, como o DOJ notas – e, portanto, centrais para o ecossistema do iPhone, propriedade e onipresença do iPhone e para a reclamação do DOJ.

A essência do foco do DOJ é o fato de que hoje a Apple mantém “controle total” sobre como os usuários fazem pagamentos tap-to-pay usando a funcionalidade NFC de seus iPhones nos EUA.

A sua alegação é que isto não só proibiu outras empresas de criarem funções tap-to-pay em carteiras móveis de terceiros, mas também prejudicou o que é feito com a tecnologia. “Na ausência da conduta da Apple, as carteiras digitais multiplataforma também poderiam ser usadas para gerenciar e pagar assinaturas e compras no aplicativo”, alega o DOJ.

Também preocupante é o fato de que a Apple Wallet contém todos os cartões, literal e figurativamente, e pode efetivamente se tornar um super aplicativo que oferece muito mais do que apenas funcionalidade financeira (outra coisa que a Apple proibiu de desenvolver no iOS, aponta o DOJ em outra parte da sua denúncia).

“A Apple prevê que a Apple Wallet acabará por suplantar múltiplas funções de carteiras físicas para se tornar um único aplicativo para compras, chaves digitais, trânsito, identificação, viagens, entretenimento e muito mais.”

No centro da funcionalidade de proteção de pagamento da Apple está sua capacidade de “possuir” todos os dados do cliente que a acompanham. Isso é algo que o DOJ identificou e associou à forma como o manual da Apple trata, em última análise, da venda de seus smartphones.

“Se desenvolvedores terceirizados pudessem criar carteiras multiplataforma, os usuários que saíssem do iPhone poderiam continuar a usar a mesma carteira, com os mesmos cartões, IDs, históricos de pagamento, contatos de pagamento peer-to-peer e outras informações, tornando é mais fácil trocar de smartphone.

“E como muitos usuários já usam aplicativos criados por suas instituições financeiras preferidas, se essas instituições financeiras oferecessem carteiras digitais, os usuários teriam acesso a novos aplicativos e tecnologias sem a necessidade de compartilhar seus dados financeiros privados com terceiros adicionais, incluindo a Apple”, ele escreve. “No curto prazo, esses recursos aprimorados tornariam o iPhone mais atraente para os usuários e lucrativo para a Apple. Conseqüentemente, a ausência de carteiras digitais multiplataforma com capacidade tap-to-pay no iPhone torna mais difícil para os usuários do iPhone comprar um smartphone diferente.”

Por enquanto, é uma direção de desenvolvimento unilateral: a Apple incentiva bancos, empresas de pagamento como o PayPal, comerciantes e outros que constroem negócios relacionados a pagamentos a incorporar a funcionalidade do Apple Pay em seu próprio fluxo de trabalho, mas para estes trata-se de encorajar transações no Apple Pay. permitindo que cartões de crédito sejam adicionados à Carteira ou incorporando facilidades de pagamento em aplicativos de pagamento para receber pagamentos – mais receita de transações para a Apple! – mas não para criar seus próprios recursos de pagamento.

“A Apple exerce simultaneamente o seu monopólio dos smartphones para impedir que esses mesmos parceiros desenvolvam melhores produtos e serviços de pagamento para utilizadores do iPhone”, observa. Enquanto isso, a Apple continuou a desenvolver o Apple Pay, lançando – por exemplo – sua própria oferta compre agora, pague depois no outono passado (foto acima).

O DOJ pode ter sua própria rixa importante com o Google, mas, ironicamente, parece um herói nesta reclamação. Tanto a Samsung quanto a gigante Android são apontadas como dois exemplos de desenvolvedores de aplicativos de pagamento que não cobram taxas sobre transações feitas usando seus aplicativos de pagamento.

“As taxas da Apple são uma despesa significativa para os bancos emissores e cortam o financiamento de recursos e benefícios que os bancos poderiam oferecer aos usuários de smartphones”, observa.

A reconvenção da Apple provavelmente será que o Apple Pay eliminou um atrito significativo no ciclo de compra, o que na verdade cria mais transações em geral, e não menos.

Isso pode muito bem ser verdade, mas não como a Apple imaginaria. Apple Pay e Apple Wallet representam uma pequena parte das receitas de serviços da Apple – que foram superiores a US$ 90 bilhões em 2023 – ou mesmo das receitas gerais. Mas o DOJ cita estimativas do Departamento de Proteção Financeira do Consumidor dos EUA que dizem que o Apple Pay permitiu quase US$ 200 bilhões em transações nos Estados Unidos em 2022, e esse número deverá crescer para US$ 458 bilhões até 2028.

Isso por si só mostra o quão central é e terá impacto no ecossistema mais amplo, mais uma razão pela qual o DOJ sente que apoia o seu caso para denunciá-lo agora.


Link do Autor
Total
0
Shares
0 Share
0 Tweet
0 Share
0 Share
0 Pin it
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts