Você não precisa de VC para desenvolver um produto de tecnologia de consumo

Conselhos de bootstrapping do co-CEO/co-fundador da Nord Security, Tom Okman

Por último década, conseguir uma grande rodada de financiamento de capital de risco tem sido o parâmetro de sucesso para startups em todo o ecossistema. Depois disso, as startups podem finalmente sair do modo de captação de recursos, focar no crescimento, ganhar escala e gerar milhões (bilhões?) em fluxos de caixa anuais. Mas para muitas startups, o financiamento de risco não é necessariamente a melhor opção – para alguns, não é mais uma opção.

Agora, com o financiamento global de risco em declínio, o bootstrapping é uma maneira cada vez mais importante e viável de lançar e desenvolver uma startup.

Além disso, parece que o pêndulo voltou a uma época em que a inovação técnica (em oposição à inovação do modelo de negócios ou arbitragem regulatória) está acontecendo em espaços nascentes, como criptografia, clima e IA generativa. Os capitalistas de risco podem se sentir relutantes em investir em empresas sem um produto que possam provar que já é bem-sucedido com uma base de clientes crescente.

Os fundadores de startups de tecnologia de consumo podem usar a atual desaceleração do mercado como uma oportunidade para se concentrar na geração de receita, criando produtos pelos quais os clientes estão dispostos a pagar.

Lançamos o NordVPN da Lituânia em 2012. Naquela época, havia falta de capital de risco acessível – naquele ano, As startups bálticas arrecadaram apenas US$ 54,4 milhões combinadas, em comparação com US$ 2,4 bilhões em 2021 — que tínhamos de incluir em nossos planos de crescimento corporativo.

Aqui estão três princípios-chave que os fundadores de bootstrapped devem ter em mente para conceber, lançar e dimensionar um produto de consumo bem-sucedido, com base em nossos dez anos de experiência em bootstrapping.

Dobrar um foco principal e fazê-lo bem

Quando seu cliente é rei, geralmente vale a pena desenvolver pensamento do produto, que é a habilidade de saber o que torna um produto útil para – e amado por – pessoas. Mas o que acontece quando você está construindo um produto para um segmento de mercado que nem existe?

Use a atual desaceleração do mercado como uma oportunidade para se concentrar na geração de receita, criando produtos pelos quais os clientes estão dispostos a pagar.

A resposta: dobrar o foco em um produto-chave em vez de explorar várias opções – faça uma coisa muito bem (pelo menos inicialmente). Sua atenção aos detalhes se tornará uma vantagem competitiva com o tempo.

No início dos anos 2000, as VPNs eram principalmente associadas a empresas e ao setor público. A tecnologia de VPN para consumidores ainda era incipiente e o usuário online médio não estava familiarizado com ela. Em suma, havia muito espaço em branco a ser preenchido.

Em 2012, era importante para nós educar as pessoas sobre a importância de usar uma VPN e por que elas deveriam pagar por uma — e era igualmente importante criar um produto que o usuário comum da Internet pudesse e devesse usar diariamente (abordando tanto necessidades funcionais e emocionais).

O enorme vácuo no mercado de VPN para consumidores naquele momento significava que era tentador lançar todo e qualquer recurso, especialmente porque o setor ainda estava amadurecendo na época. No entanto, nosso capital limitado significava que tínhamos foco total na geração de receita, o que significava criar um produto que nossos usuários adorassem. Ao priorizar o controle, a conveniência e a velocidade, a fidelidade de nossos clientes foi construída ao longo do tempo e a retenção permaneceu alta em tempos bons e difíceis.


Link do Autor
Total
0
Shares
0 Share
0 Tweet
0 Share
0 Share
0 Pin it
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts